Postagens

Mostrando postagens de 2016

Já nem sei...

Eu tinha um amor, eu tenho, tinha, nem sei mais. Um certo dia ele se foi. E voltou. E se foi. E voltou...

Ainda o amo ou nunca o amei, são tantas hipóteses, mas nenhuma é a correta para demonstrar a gravidade de meus sentimentos. É normal o estômago ficar jogando vôlei quando eu encontro com você? É normal eu dar um sorriso involuntário mesmo quando estou com raiva de você? É normal me importar com o que você pensa ou faz? Porque, se não for, eu acho que preciso ir ao médico.

Você se vai, meu peito chora. Você volta e traz meu sorriso de volta. Mas, até quando? Isso é comum? Acontece com todo mundo? Aonde isso vai parar? Na real, nem me importo com as respostas para essas perguntas, o que eu mais espero é que ele fique e que eu descubra ao seu lado o mundo.

No entanto, eu quero que você fique por inteiro, sem se importar com as pessoas que estão por fora da nossa relação. Não quero possuir metade de um amor, muito menos ter que dividi-lo com o orgulho bobo.

Preciso de demonstrações, …

[Resenha] Muleres Que Nao Sabem Chorar - Lilian Farias

Imagem
Vidas vividas entre angústias e decepções. Medos guardados e nunca resolvidos. Uma sociedade que impõe suas vontades e normas. Todos esses fatores influenciam o enredo de Mulheres que Não Sabem Chorar.
Marisa e Olga são mulheres adultas e que já tem seus filhos criados, cada uma com a sua história e suas dores. São personagens fortes e independentes que estão perdidas dentro delas mesmas.
Durante anos elas foram vizinhas e brigaram diversas vezes. Marisa era cruel e implacável, Olga só rebatia, afinal estava bêbada demais para fazer algo alem disso.

A história de Ana também é contada e se entrelaça a das personagens principais. Ana é uma jovem cheia de cicatrizes da vida, está na faculdade há anos e mais um problema acabou de entrar na sua vida, chama-se Verônica.

O livro trata de questões sociais como o preconceito e o machismo. Mostra que as mulheres podem fazer as coisas, sim! E saem machucadas e apedrejadas pela sociedade por tentar ter uma vida livre de regras impostas.

Mulheres…

Primavera

Imagem
A primavera sempre foi a melhor estação do ano, a mais bonita, tranquila e cheia do aromas maravilhoso de flores. É boa porquê consegue mesclar tudo, é frio, mas também é calor (principalmente em São Paulo), faz a cidade ficar mais colorida e cheia de amor.
A primavera deixa as coisas mais alegres, o dia mais leve. Você pode sair de um momento tenso e ver uma árvore cheia de flores e se sentir feliz. A estação sorri para você e você retribui, ambos só transmitindo gentileza.
Esse é um dos motivos para que setembro seja o melhor mês, a primavera chega e ela trás tranquilidade. Já parou para observar o mundo ao seu redor durante esse período? Fica lindo, colorido e transmitem paz.
Há quem não goste, não os culpo, afinal as outras estações também tem os seus encantos, mas os dela são os que me prendem e me surpreendem, a cada ano me apaixono mais e parece que ela também se apaixona por mim, ela me abraça e deixa que eu conte tudo o que está me angustiado. Espero que essa reciprocidade c…

[Resenha] A Lenda de Materyalis - As Crônicas de Aliank #1

Imagem
A principio A Lenda de Materyalis é um livro difícil de ser lido, pois contém uma complexidade na historia e nomes nunca antes vistos. Mas, no decorrer da leitura se torna gostoso, leve e impossível de largar.
Existia Materyalis o deus supremo, mas que decidiu se separar, criando Materyon o benévolo e Marilis o perverso. Isso originou uma guerra ideológica onde ha três ideologias principais: Teryonismo, Marilismo e o Emylismo. 
Conhecendo os termos de cada ideologia podemos saber a personalidade dos personagens ligados a elas. Saymon foi genial e não deixou nenhum mínimo detalhe passar despercebido, podemos realmente sentir qual personagem se identifica com qual ideologia após termos o conhecimento da mesma.
Como personagens principais temos: Sarlakos, Liliel, Dotter, Morhariel e Hirlun. Com personagens bem construídos e estruturados o autor me surpreendeu de maneira positiva, mostrando que a literatura nacional é boa sim e merece mais reconhecimento.
O enredo flui naturalmente, isso…

Indica Lu: O assassinato de Roger Ackroyd

Imagem
Queria começar apenas dizendo que Agatha Christie é rainha, gente.
Agatha foi a maior escritora policial de todos os tempos. Escreveu 93 livros e 17 peças teatrais, além de 6 romances publicados sob o pseudônimo de Mary Westmacott. Seu primeiro livro foi o "O Misterioso Caso de Styles" lançado em 1920. Porém, foi em 1926  com "O Assassinato de Roger Ackroyd", que ficou famosa. Seu personagem mais marcante é o detetive Hercule Poirot, que aparece em 33 de suas obras.
Em 1954, recebeu o Grandmaster Award, da associação Mystery Writers of America e em 1971, o titulo de Dama da Ordem do Império Britânico.

Sinopse: “O assassinato do rico Roger Ackroyd, morto a punhaladas com uma adaga tunisiana, é a terceira de uma série de estranhas mortes, que despertam a atenção da solteirona e sagaz Caroline Sheppard, irmã do médico da cidade e narrador deste romance. Intrigada, Caroline resolve investigar o caso e descobrir se as três mortes têm alguma ligação. Para isso, ela cont…

Juventude

As margens de mais um aniversário minha crise se agrava. Aquela ansiedade que eu tinha de completar mais um ano passou, se esgotou. Não é que eu não goste de aniversários, eu adoro, mas eu bem que poderia ainda ter 15 anos, não é?
Uma coisa boa de ser mais velho é que vemos as coisas de uma outra perspectiva e percebemos o quanto fomos todos em determinadas situações, como choramos a toa, nos preocupamos em perder algo que nunca foi nosso. 
A “maturidade” vem e nos mostra alguns aspectos da vida, mostra que as pessoas fazem coisas para ferir os outros, para sair por cima em determinadas situações, uma coisa que em minha inocência infantil não era esperado, tudo era festa e amor.
As desilusões, amizades e amores vão ficando pelo caminho, pessoas antes essenciais hoje são apenas aqueles pontinhos de luz que vinheram, alegraram os dias e se foram. Deixaram parte delas conosco e pegaram uma parte nossa, fomos unidos enquanto fomos, somos eternos em nossas lembranças.
Crescer é isso, sabe…

Maracujá

Eu conheci uma pessoa que adorava maracujá e, pasmem, se parecia muito com um. Não na aparência, mas sim no temperamento, era calma, atenciosa e uma conversa com ela era deliciosa.
Sempre fui agitada e entusiasmada, dramática as vezes, mal da idade, talvez? Somos fragmentados quando jovens, vemos as coisas como se fossem o fim de uma existência, porém, cá entre nós, sabemos que não é. Essa pessoa me mostrou o quanto existem pessoas diferentes, essa pessoa mesmo que fragmentada enxerga as coisas de maneira positiva, calma, fofa. Parecia um bolinho de tanto amor que emanava.
Tive poucos momentos ao seu lado, uma semana para ser mais exata, mas que foram bons e positivos. Aprendi muito, descobri novas bandas, fui plena e fiz algumas loucuras na companhia da minha nova amizade. Acho que finalmente descobri o significado da palavra desapego, você simplesmente deixa a outra pessoa ser livre para ir e aproveita tudo o que ela deixou com você, toda a essência, conhecimento e desejos e, quand…

[Resenha] Adelphos - M. Pattal

Imagem
Enzo, Dan e Mila são três adolescentes que possuem diferentes tipos de deficiência física e estão se preparando para as olimpíadas. Todos sofrem com algum tipo de rejeição por parte de pessoas bem próximas e todos vão viver uma grande aventura em breve.
Eles vivem em diferentes regiões do Brasil, mas agora serão transportados para Oykos, uma terra totalmente nova. Ela é dividida em várias subterras (do mesmo jeito em que dividimos os países em estados) e cada uma tem a sua particularidade, cada uma delas é responsável por produzir alguma coisa para que todas as outras também possam ter, por exemplo, os cavalos usados pelos oykanos são da terra de Zóa, onde são cuidados e adestrados.

Ao chegarem em Oykos, cada um vai para uma terra diferente e enquanto vão percorrendo o seu trajeto eles irão passar por todas as terras oykanas. Todas as terras tem um lema é uma bandeira e o mais impressionante é que o livro não trata apenas de uma história de aventura, isso me surpreendeu, o autor busc…

Desejos de setembro ❤

Imagem
Esse é o momento de externar quais são os livros que eu desejo ler esse mês e fazer uma consideração com os que eu queria ler em agosto e não foi possível.
No mês passado eu fiz uma lista de cinco livros aqui, que são:
- Pax (ainda não lido) - A Garota do Calendário (lido até o de abril)
- Entre o agora e o nunca (ainda não lido)
- A Geografia de nós dois (não lido)
- A Fúria e a Autora (não lido)

Como pode ser visto falhei bem lindamente, porém vou fazer o de setembro também.

O Ar que ele respira - Brittainy C. Cherry

Sinopse: “Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por …

Entrevista com Ruth Arnaldo

Imagem
É um imenso prazer fazer a primeira entrevista do blog com a autora Ruth Arnaldo, dona de um texto impecável e super gentil, ela está arrebatando fãs por todo o Brasil.

Qual sua influência para começar a escrever? Minha influência para leitura e escrita foi meu pai. Ele era um devorador de livros e desde muito pequenina ele me dava livros de presente, na adolescência ele lia os mesmos livros que eu só pra gente conversar sobre a história...as vezes eu acordava no meio da noite e meu pai ainda estava acordado lendo...Este mesmo amor que ele tinha, eu também peguei pelos livros. E a partir  das muitas leituras foram surgindo em mim uma vontade imensa de contar minhas próprias histórias...
Em quem você se inspira? Não tenho alguém em particular, mas ler me inspira. Além de ler muito, também vejo séries e assisto muito noticiário na Tv, histórias reais de desconhecidos me inspiram muito.
O que você faz quando a escrita não está fluindo? Eu ouço músicas romanticas antigas. Ou assisto filmes que…

Indica Lu: Cidade dos Ossos - Cassandra Claire

Existem inúmeros livros que eu já li e que não tem resenha aqui no blog. Então resolvi criar um “quadro” aqui, todos os sábados eu irei indicar um livro que eu gosto muito para vocês.
E o primeiro de todos é Cidade dos Ossos, primeiro livro da série Os Instrumentos Mortais, na verdade indico toda a série, mas vocês têm que começar de algum lugar, não?
Essa série foi escrita pela Cassandra Claire. Ela também escreveu As Peças Infernais, uma série que se passa antes de Os Instrumentos Mortais, mas que em diversos momentos são entrelaçadas, então uma dica que eu te dou é: leia em ordem de lançamento e não série por série separadamente, vai por mim, por ordem de lançamento é melhor.
Sinopse: “Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que…

Tempos de protagonista

Tudo começou há alguns dias, mais ou menos às 20 horas... não, pera, vou começar do início para que vocês entendam melhor.
As coisas começaram já faz um tempo, não mais que um ano, não menos que um mês, quando um garoto moreno com olhos brilhantes entrou em ação, tinha o sorriso lindo e melhor, sorria com os olhos também, era paciente e reservado. Foi sempre atencioso, era carinhoso, na medida do possível, já que para ele era uma coisa nova.
Eu me senti em êxtase ao saber o que ele sentia por mim, ele me amava, foi como se fogos de artifício estivessem explodindo dentro de mim, como se eu tivesse acabado de ganhar uma copa do mundo...
Mas foi quando o outro rapaz apareceu, esse era mais alto, também moreno, mas com a pele mais clara e mais encorpado, era paciente e “da galera”, gostava de futebol e de mpb. Ah, e era romântico.
Quando esse se aproximou de mim eu ainda estava imune ao seu charme, entretanto, ele resolveu ganhar o meu coração...e conseguiu. Bem, a metade ao menos.
Agora…

Segredos?

O que eu não conto nem para mim mesma? Difícil responder, já que você meu caro leitor, com certeza não sou eu, ou talvez seja? Pode ouvir os meus pensamentos? Ver as minhas memorias ou imaginação? Se respondeu a uma dessas perguntas positivamente, então podemos ser a mesma pessoa ou você é muito bom em descobrir coisas alheias a sua pessoa.
Bem, o que o meu eu interior precisa saber? Pera, isso está certo? Ou será que é o exterior que precisa saber? Oh, não consigo organizar as minhas ideias separando os dois, mas se eles não conseguem trabalhar separados então não existem segredos entre os dois.

“Tenho medo de me afogar”
Que isso? De onde veio? Quem está falando tão perto de mim? Medo de se afogar, que bobagem! É coisa de criança, as pessoas deviam se envergonhar, eu em! Mas talvez aquele pavor que eu senti na piscina seja medo, será? E agora? Será que todos vão descobrir? Apaga, apaga, apaga.

“Dormir sozinha foi difícil quando eu era criança”
Isso continua? Quem tem medo de dormir so…

[Resenha] Extraordinário - R. J. Palácio

Imagem
Extraordinário conta a história de August Pullman, uma criança que nasceu com uma deformidade facial, com apenas 10 anos já passou por diversas cirurgias e ainda precisa ver a expressão de medo é repulsa no rosto das pessoas que o veem pela primeira vez.
De maneira tocante, R. J. Palácio mostra como as crianças são cruéis e os adultos não tem um pingo de empatia. Vemos como os que andam e não ligam para o problema de August sofrem por escolherem o amor.
O enredo trata do primeiro ano de August na escola, por questões óbvias ele sempre estudou em casa com a mãe (que não é professora) mas ele é muito inteligente e acaba se saindo muito bem nessa parte.
Contraposto ao lado estudantil vem o campo das amizades, nessa parte é que fica evidente que ele é diferente, não só na aparência, mas do lado de dentro também, fica o questionamento: Qual o porquê de crianças que têm tudo serem tão amargas enquanto as que tem qualquer tipo de dificuldade são carinhosas e cheias de amor? Provavelmente es…

Chamem as autoridades!

Tudo começou um certo dia Acabou a produtividade Roubaram nossos assuntos
Mas e a responsabilidade?

Nesse dia foi festa
Ainda está sendo
E continuará por um tempo
Não estão vendo?

Tão graciosa 
Um tanto mal educada
Não pediu licença


Pena que não se pode prestar atenção em duas coisas
Ela é tão linda que não se consegue desviar o olhar
Não conseguimos concluir nossas atividades
E prendemos o ar ao observar

Suor, lágrimas, sorrisos
Amor, paixão, exaustão
Tantos adjetivos
E nenhum pode descreve-la
Amor, sim
Achei uma palavra boa
Amor 

Ah, Olimpíadas, como você dispersou as pessoas
Mas quem disse que alguém está reclamando?
Pode continuar
Estamos amando

Agora tenho que encerrar
Vai começar a natação
Judô, futebol ou vôlei
Melhor eu me concentrar!

Desejos ❤

Imagem
Início de mês chega e com ele as listas vão só aumentando. Então, hoje vou compartilhar quais são os 5 livros que eu quero muito ler (que eu consiga fazer isso ainda esse mês, por favor).

Pax - Sara Pennypacker

Sinopse: “Peter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas.
Alternando perspectivas para mostrar os caminhos paralelos dos dois personagens centrais, Pax expõe o desenvolvimento do menino em sua tentativa de enfrentar a ferocidad…

[Resenha] Uma jogada do amor - Ruth Arnaldo

Imagem
Isadora faz faculdade, tem um emprego e mora sozinha no seu apartamento, como uma jovem comum, mas é exatamente isso que não podemos dizer sobre ela. 
Atormentada por um problema do passado ela se mudou para aquela pequena cidade e não quer se aproximar de ninguém novamente. Até que Sebastian aparece em sua vida.

Sebastian é, sem dúvida, um cara muito atencioso e cheio de amor para dar e irá aceitar um desafio: conquistar o coração da mocinha. Essa foi uma parte que me decepcionou, pois a conquista foi superficial quando poderia claramente ter sido mais trabalhada. Outro ponto pouco explorado foi o “mistério”.

Em contrapartida, não podemos deixar de falar sobre o enredo e a ideia do livro como um todo. Essa perspectiva foi original, assim como os acontecimentos que se sucederam. Apesar de que houveram momentos em que pareceu que a autora queria “correr” para terminar logo, foi uma boa experiência de leitura.
Com uma história de amor, amizade e uma pitada de mistério, Ruth Arnaldo mos…

Você lê a sinopse?

Parei para pensar sobre isso a alguns dias, quando um amigo me perguntou sobre o que era um livro que eu havia ganhado, porém não tinha lido e eu respondi que não sabia e, ele ficou indignado por eu não ter lido a sinopse e a orelha.
Depois de muito pensar sobre o assunto, cheguei a conclusão de que eu prefiro não ler para não me decepcionar com os livros, já que a sinopse pode passar uma impressão errônea.
Porém, encontrei dois motivos essenciais para isso:


As pessoas querem vender livros (imagino que vocês já saibam) e a sinopse é uma maneira de fazer com que as pessoas se interessem. E, claro, as pessoas capricham nesse texto para gerar interesse;Não quero saber o que irá acontecer de forma alguma e, na sinopse e orelha existem alguns adiantamentos, por exemplo um livro sobre viagem no tempo já estará constando que o personagem irá conhecer tal experiência, o que faz com que o início (quando ainda não aconteceu a viagem) fique ofuscado de alguma maneira, já que eu sei que aquilo não s…

[Resenha] A Hora da Estrela - Clarisse Lispector

Imagem
A Hora da Estrela foi um livro escrito no final da carreira da autora, em 1977. Uma obra muito conhecida e bastante admirada por várias pessoas ao longo dos anos.
No enredo temos três tipos de narrativas, a primeira conta a história da personagem principal, Macabéa; a segunda mostra a vida de Rodrigo S.M. que é o narrador geral da história e narra por meio de um livro que está escrevendo, então temos todo este contexto, a vida de Macabéa sendo narrada por meio de um livro; e o conflito do Rodrigo ao conviver com a Macabéa.
Macabéa é nordestina, não teve o auxílio dos pais quando criança, foi criada por uma tia que a maltratava e ensinará uma série de valores errôneos. Na verdade, a personagem principal só tem uma característica, a ausência de tudo. 
Temos como cenário o Rio de Janeiro, onde Macabéa “vive” se é que essa seja a melhor palavra para descrever.

O final desse livro é completamente de tirar o fôlego e é neste momento em que o nome do livro faz sentido. A autora opta por faz…

Top 5: Melhores de 2016 até agora

Piscamos o olho e já estamos na metade do ano, está passando rápido mesmo ou eu que estou perdida demais no mundo literário para acompanhar a mudança?
Mas vamos ao propósito do post que é apresentar as minhas melhores leituras de 2016 (até agora) e resolvi escolher apenas 5 para não ficar muito longo, porém foi uma tarefa difícil!

Antes de tudo, tenho que dizer que escolhi aqueles que de alguma forma tocaram o meu coração e me fizeram parar para pensar sobre alguns fatos. Então sem outras enrolações, vamos:

5°) The Kiss Of Deception;


Sinopse: “Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer c…

[Resenha] Loney - Andrew Michael Hurley

Imagem
Sinopse: “Quando os restos mortais de uma criança são descobertos durante uma tempestade de inverno numa extensão da sombria costa da Inglaterra conhecida como Loney, Smith é obrigado a confrontar acontecimentos terríveis e misteriosos ocorridos quarenta anos antes, quando ainda era criança e visitou o lugar.
À época, a mãe de Smith arrastou a família para aquela região numa peregrinação de Páscoa com o padre Bernard, cujo antecessor, Wilfred, morrera pouco tempo antes. Cabia ao jovem sacerdote liderar a comunidade até um antigo santuário, onde a obstinada sra. Smith crê que irá encontrar a cura para o filho mais velho, um garoto mudo e com problemas de aprendizagem. O grupo se instala na Moorings, uma casa fria e antiga, repleta de segredos. O clima é hostil, os moradores do lugar, ameaçadores, e uma aura de mistério cerca os desconhecidos ocupantes de Coldbarrow, uma faixa de terra pouco acessível, diariamente alagada na alta da maré. A vida dos irmãos acaba se entrelaçando à dos excê…

Loucura ou necessidade?

Imagem
Quem nunca fez uma loucura na vida?
Seja para conseguir realizar um sonho ou por amor. Pois as vezes só conseguimos o que queremos colocando a cara a tapa, como por exemplo aquele emprego que sempre quis.
A loucura pode ser definida de diversas formas e, existem várias maneiras de externa-la. Para alguns, fazer loucuras é libertadora, imagine pegar o carro ir a praia em um dia ensolarado ao invés de ir para aquela aula de inglês ou finalmente ir ao cinema sozinho, não para se sentir sozinho, mas para desfrutar da própria companhia.
Acontece que de vez enquando temos que fazer certos tipos de loucura para mantermos nossa sanidade. O mundo exige uma série de responsabilidades de todos nós e se ficarmos tão imersos sem nunca sairmos para respirar, não iremos aproveitar o ar livre.

Qual o seu talento?

Imagem
Talento pode estar com você desde o momento do seu nascimento, ou pode ser adquirirido com o tempo. Uma pessoa pode ser ótima para desenhar, outra para escrever, cada um da sua maneira, ambos lindos e cheios de emoção.

Faço parte do time da escrita, mas sempre achei lindo quem sabe desenhar, fazer aqueles desenhos super realistas. Agora, se eu tentar fazer algum, vai sair duas montanhas e um sol, certeza! Haha

Ambos os talentos citados, tem que ser desenvolvidos, e pessoas que não sabem, podem aprender “escrevo textos desde os meus 12 anos mas a minha escrita era péssima, fui evoluindo com o tempo, descobri meu amor pela poesia aos 14 desde então comecei a escrevê-las também” Raíssa Siqueira.

Eu, por exemplo, sempre gostei de ler/escrever, mas acham que os textos que escrevi aos 8 anos são tão bons como o de hoje? Falando nisso, eu deveria ficar tentando aprender a desenhar, não é mesmo? Ou, poderia começar a cantar, dançar, fazer de tudo, não somos limitados, nós é que nos limitamos…

Ah, o amor ❤

Ele invade, sem pedir licença, se abriga no seu peito e faz de lá sua morada. É ele quem te faz ver luz no fim do túnel, faz ser persistente e ver que as vezes existem finais felizes. Ou talvez não, já que você não irá querer ter um ponto final nessa história, mas somente umas reticências fofas.

O amor é único para cada um de nós, vez ou outra, duas pessoas sortudas dividem o mesmo, sempre admirei aqueles casais de idosos abraçados em um dia frio, com um olhar juvenil e um sorriso escancarado. Não dá para definir esse sentimento em poucas ou muitas palavras, ele apenas é sentido e, cá entre nós, todos sabem quando ele se instala no coração.

Uma pessoa que oferece abrigo a esse sentimento tão puro pode ser identificada de longe, os olhos brilham, o sorriso é largo e há sempre aquela leveza no andar.

Existem aqueles que tem medo de sentir, medo de amar e ser amado. Claro, não tem nenhuma fórmula mágica para que o medo cesse, nem é possível dizer o que está sendo feito de “errado” por quê, …

Carta ao acaso

Imagem
São Paulo, 16 de abril de 2016

Peço licença, pois no local da saudação colocarei uma explicação, está carta é sim direcionada a alguém, mas essa pessoa irá ler e saber na hora que me refiro a ela, os outros não precisam necessariamente saber quem é.

Não é uma amizade antiga, mas é intensa, temos muitas histórias para contar? Talvez, todavia, podemos não contar, apenas para ter isso como um segredo entre nós.

Há quem confunda o sentimento com algo a mais, existiram pessoas que pensaram coisas errôneas, mas hoje não mais. Brigamos? Quase sempre, por motivos idiotas, que no caso quem começa não sou eu! Hahah

Confusões, má interpretação, falta de comunicação, desencontros. Tudo está ligado às discussões, mas, cá entre nós, quem nunca discutiu com alguém que é especial?

Poderia ter escrito para qualquer pessoa, em qualquer lugar, várias propostas interessantes, mas, preferi endereçar a um amigo, já que, nunca havia escrito nada para tal, ou tinha? Não me lembro ao certo, aí essa mania de e…

Um dia transformador

Sempre temos um dia, aquele dia em que tudo da errado, perde a hora, responde de mau jeito sem perceber, passa mal, toma atitudes erradas e por ai vai. Mas, por mais chatos e estressantes que sejam, devemos passar por eles e adquirimos uma espécie de experiência com ele.
Pensem, no primeiro dia de bad de vocês, o que fizeram? Choraram e comeram chocolate, faltaram aos compromissos, porem, no dia seguinte ainda estavam vivos e teriam que enfrentar a vida de qualquer jeito. Agora, quando esse dia chega, você enfrenta, tem que sair? Sai. E tem a certeza que no dia seguinte tudo melhora.
Maus dias servem para testar os nossos limites, nos mostrar o real valor de dias de alegria, para que possamos aproveita-lo ao máximo sempre. O aprendizado sempre vem, as vezes, demoramos a enxerga-lo, outras nos fazemos de cegos para camuflar o sentimento. Entretanto, quando o tempo passa e as magoas acabam, conseguimos ver a situação de maneira geral, distinguindo tantos os pontos bons como os ruins.

A Raiva

Ela chega e acontece Sem nem avisar Apenas faz o caos dentro da sua cabeça Para depois se acalmar. 
Versos chamam Música Livros Solidão.
Às vezes, não tem nem motivo Só está ali,  Chovendo,
 Raios,  De dor, emoção, confusão.

Tão rápida como chegou,
Ela vai embora
E sabe o sorriso?
Você oferece o mais bonito de todos
Ao alvo.

Não é uma história de piedade,
Fraqueza ou insanidade
É apenas a vida
Mostrando a verdade.

Estranho seria se não fosse assim,
Se as pessoas guardassem a raiva
Por dias, meses, anos
Eternamente.

Seríamos horríveis
Seríamos robôs
Seríamos frios
Seria amor?

Não me rotule

Imagem
Vocês já devem ter ouvido várias vezes que não pode fazer isso ou aquilo pois é coisa de menino/menina, eu sempre fiquei chocada com essas afirmações, já que todos são livres para gostar do que quiser, uma garota gosta de futebol? Ótimo. Um garoto gosta de moda? Ótimo também.
A sociedade impõe um padrão, moças de rosa, rapazes de azul. Eis a pergunta, isso realmente importa? Não deveria. São apenas cores, gostos e estilos de vida. É muito difícil achar pessoas que pensam e agem de maneira igual e isso é bom, não é nenhuma coisa de outro planeta uma pessoa de um gênero gostar de alguma coisa que está do outro lado do muro, digamos assim.
Em contrapartida temos os que repreendem e condenam os gostos dos outros. Uma coisa é certa, está se incomodando tanto com uma coisa que nem é ela que gosta ao invés de estar aproveitando o que realmente gosta de fazer, a não ser que goste de julgar, pois aí sim está fazendo exatamente o que gosta. Agora, pra quê? O rapaz que tem o cabelo grande está …